Seguro, obrigatório por Lei, de responsabilidade por eventuais acidentes ocorridos com os empregados domésticos, durante o horário de trabalho ou no percurso de e  para o local de trabalho (risco de trajecto).

Protecção Em caso de acidente provocado por um empregado doméstico seu, você torna-se responsável por indemnizações e eventuais despesas de tratamento que venham a ocorrer. Com a subscrição do Seguro de Acidentes de Trabalho Pessoal Doméstico, a Companhia de Seguros Tranquilidade substitui-se-lhe nessa obrigação.

Mesmo não existindo contrato de trabalho, o empregador é sempre responsável por quaisquer danos sofridos pelo seu empregado doméstico em virtude de acidente de trabalho, sendo por isso indispensável a subscrição deste seguro, não só por este ser obrigatório por Lei, mas também para garantir a tranquilidade do empregado e do empregador face a acidentes imprevisíveis.

 

 

Rendimento Com o seguro de Acidentes de Trabalho Pessoal Doméstico da Tranquilidade garantimos-lhe, não só o pagamento de eventuais despesas com o seus empregados domésticos em consequência de acidente de trabalho, como também um instrumento que vai melhorar as condições de trabalho, aumentando consideravelmente a noção de protecção e segurança dos seus empregados.

 

Garantias Base

  • Indemnizações por Incapacidade Temporária
  • Pensões por Incapacidade Permanente e Morte
  • Subsídios por Morte ou por elevada Incapacidade Permanente
  • Despesas de Funeral por Morte do Trabalhador
  • Outro tipo de indemnizações necessárias para o restabelecimento do estado e capacidade de trabalho:

(i) Tratamentos Hospitalares,

(ii) Despesas Médicas,

(iii) Despesas Medicamentosas,

(iv) Transportes,

(v) Refeições,

(vi) Reabilitação Funcional

(vii) Próteses

Garantias Opcionais

  • Garantia de assistência médica, medicamentosa ou hospitalar e transporte ou repatriamento de trabalhadores estrangeiros a trabalhar em Portugal.
  • Garantia de assistência médica, medicamentosa ou hospitalar e transporte ou repatriamento em países estrangeiros, ou a trabalhadores portugueses a trabalhar em países estrangeiros, que não sejam considerados “estrangeiros europeus”.